terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Minha imperatriz adolescente


Minha Cássia Imperial (chuva de Ouro), primeira florada aos 3 anos de idade




Um besouro que voada de flor em flor, emitia um som estranho, parecendo que sugava o néctar. A vida que se renova.

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

A Conciliação é indivisível


A luta contra o Apartheid foi reconhecida mundialmente, de forma expressiva, pelo fato de dois ativistas negros da África do Sul terem recebido o prêmio Nobel da Paz. Um deles, Mandela, morreu esta semana!

O último herói da liberdade, ficou 26 anos preso na Ilha Robben, lá ocupava a cela com número 466/64, de onde saiu para ser eleito Presidente da África do Sul. Fez um governo de conciliação, mas perdeu a oportunidade de empreender uma grande redistribuição de renda no País.

Nomeou o bispo anglicano Desmond Tutu, o outro prêmio Nobel da África do Sul, como presidente da Comissão da Verdade e da Reconciliação. Li na Alemanha, em meados da década de 80, o livro de Tutu "Die Versöhnung ist unteilbar" ("A conciliação é indivisível"), onde Tutu delineia o seu pensamento de uma reconciliação para a sociedade sulafricana, baseada na tolerância e na firmeza de carácter, que sempre acompanhou a ambos os protagonistas desta linda história de nosso século.

No filme Invictus, dirigido por Clint Eastwood em 2009, uma bela leitura desta luta pela  reconciliação do País.

No maravilhoso discurso em sua defesa no final do processo que o levou à prisão, Mandela concluiu:

"Durante a minha vida, dediquei-me a essa luta do povo africano. Lutei contra a dominação branca, lutei contra a dominação negra. Acalentei o ideal de uma sociedade livre e democrática na qual as pessoas vivam juntas em harmonia e com oportunidades iguais. É um ideal para o qual espero viver e realizar. Mas, se for preciso, é um ideal pelo qual estou disposto a morrer"

O mundo ficou um pouco mais cínico com a ausência de Mandela! Obrigado, Madiba! Todos somos africanos e temos orgulho, como você.

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Falta Lula!


Enfim, os corruptos foram condenados e estão a caminho da prisão.
Não é a punição exemplar... Longe disto. Uma condenação pífia, de uma sociedade que contemporiza com a corrupção, com a bandidagem. Mas, eles vão para a cadeia. E isto é um grande passo.

Mas, neste exato momento em que acompanho José Genoíno Neto se apresentando à polícia para passar sua primeira noite na cadeia, faço uma pequena revisão dos fatos e me pergunto: o que levou José Genoíno Neto à prisão?

Não acho que todos os réus desta vergonhosa trapaça do Partido dos Trabalhadores são iguais. Assim como os deputados comprados, Marcos Valério estava apenas interessado em dinheiro. Acho que seu sócio realmente não devia saber de toda a extensão da maracutaia. São diferentes, mas iguais: todos os sócios são igualmente responsáveis pelos crimes administrativos realizados pela empresa. Não há desculpas do tipo: eu não sabia...  Foi por isso que Ramon Hollerbach, foi condenado e continua alegando inocência.

Da mesma forma que Ramon não é Valério, creio que Genoíno não é Dirceu.

José Genoíno Neto afirma ser preso político (sic). Não é verdade. Ele foi condenado  por uma razão objetiva: assinou contratos de empréstimos fraudulentos do Banco do Brasil e do Banco Rural, como presidente do Partido, cujo objetivo era munir o sistema com dinheiro para compra de votos.
Na conclusão da peça de interposição de embargo infringente, os advogados de Genoíno fazem constar: “José Genoino Neto não merece a pecha de bandoleiro. José Genoino Neto não integra quadrilha. José Genoino Neto é um digno e honesto cidadão, é um homem público extremamente íntegro, probo, idôneo e incansável servidor da causa pública (...) Não aceita e jamais aceitará sua condenação por este pretório excelso."

Eu creio que sim. José Genoíno talvez seja um homem íntegro. Mas o presidente do partido tem responsabilidade política por cada contrato que assina.
Há um abismo entre a ingenuidade de Genoíno e a falta de carácter explícita de José Dirceu. Creio que José Dirceu continuou no PT sua carreira de guerilheiro. Um guerilheiro não pode ter escrúpulos. Tudo é válido, até mesmo matar. Por que não comprar votos? Os fins justificam os meios, e passa-se a ser o dono da verdade e de sua própria moral. Isso é o que se torna imoral. Ao contrário de Dirceu, creio que Genoíno foi ingênuo. Entretanto, ele deve sim ser condenado, apesar de não fazer parte central da maquiavélica máquina de corrupção de José Dirceu.

Da mesma forma que o sócio de uma empresa tem responsabilidade pelos  crimes da empresa, o presidente de um partido tem responsabilidade política pelos atos do partido, o Presidente da República tem responsabilidade política pelos atos cometidos pelo seu governo. Afinal, a quem beneficiaram as compras de votos? Eu creio que Lula sabia. Entretanto, não saber o que realizavam seus subalternos é mais do que uma prova de incompetência. A responsabilidade política é do Presidente da República. 

Falta um mensaleiro nesta história: Luiz Inácio Lula da Silva.

PS.: A equipe de marketing do PT está tentando transformar os mensaleiros em mártires. Bom, esta semana parte da farça caiu: a Dilma pode ficar tranquila, a saúde de Genoíno não inspira cuidados. Genoíno é jovem, tem 67 anos, tem complicações cardíacas e deve se cuidar. Entretanto, fico pensando se ele tivesse 97 anos, estivesse gravemente enfermo em um hospital e fosse levado ao tribunal para ouvir sua sentença de maca, com aplicação de soro, com um tempo limite de 15 minutos, devido a sua incapacidade de seu cérebro em se concentrar. Este foi o procedimento de um tribunal húngaro recentemente no processo contra um policial húngaro, acusado de crime nazista  http://migre.me/gMTHl. O crime não prescreve por problemas de saúde. 

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Invasão de posseiros do PMSA no Sítio Águas Claras



Comunicamos a todos os interessados na Uva Ruby, safra 2013/2014,
da área de reserva especial Sítio Águas Claras, que todos os pedidos estão cancelados, sem previsão de data de normalização do fornecimento.

Com os mais sinceros pedidos de desculpas, justificamos o transtorno tendo em vista a invasão de posseiros do movimento dos "Passarinhos Miúdos sem Árvore" - PMSA, que resolveram fazer os seus ninhos no meio da parreira em flor.



A parreira de uvas especiais estava apresentando os frutos de alta qualidade.



No início do mês corrente foi constatada a invasão. Os invasores, identificados como prováveis membros do movimento PMSA, iniciaram imediatamente a construção de ninhos-barracos com materiais alternativos.



Entretanto,neste curto espaço de tempo, os invasores já apresentam consolidada a posse do local. Os advogados esclarecem que já foram tomadas as devidas providências legais, e um pedido de reintegração de posse foi submetido à justiça. Entretanto, tendo em vista o enorme drama social, que envolverá em breve a vara de infância e juventude, os proprietários do empreendimento decidiram suspender todas as atividades na parreira, até que a justiça providencie a remoção dos invasores para fora da região de risco.

Nota:  O Movimento PMSA iniciou-se, muito provavelmente, na Fazenda Brejo Novo, conforme documentado no livro A PERIGOSA VIDA DOS PASARINHOS PEQUENOS, de caráter histórico, baseados em fatos reais, da eminente jornalista Míriam Leitão, recentemente publicado pela editora Rocco Pequenos Leitores, conforme encontrado em http://migre.me/gClwS   .


sábado, 28 de setembro de 2013

Os morangos




Ele sente o cheiro profundo que a mata próxima exala. Cheiro úmido de fumo molhado que sobe do vale. Cheiro de musgo e vida, exalado pelos poros da densa vegetação da mata que rodeia a nascente. Da varanda, ao pôr do sol, seus olhos vagueiam pelo horizonte sem destino. A explosão de vida da primavera o faz lembrar as palavras de Jesus.

“Aprendei, pois, da figueira a sua parábola: Quando já o seu ramo se torna tenro e brotam folhas, sabeis que está próximo o verão.”

Seu olhos encontram ao longe o velho e teimoso Ipê Amarelo, impunemente florido, embelezado, contra toda a probabilidade... Contra a dura terra pedregosa da Serra de Carrancas, maltratado pela seca que já dura seis meses. Sobrevivente das queimadas, desconhecendo a pedra e a dor. Um monumento à resistência e à esperança. Como ele próprio. Aos noventa e oito anos, tem amarguras insolúveis em seu peito, tem dores que nunca o abandonam. Mas tem ainda aquele terno sorriso nos lábios e o brilho intenso nos olhos. O dia vai esvaindo-se aos poucos. Em breve o manto escuro da noite sem lua vai cobrir o vale do Rio Grande. Ele estende a mão, pega da bandeja um morango escarlate. Dá uma vigorosa mordida na carne doce e tenra do morango, que ainda pela manhã recebeu o seu último orvalho. Que bom que o Pernambuco lhe trouxera aqueles morangos, justo hoje quando sua alma se enternecera mais do que de costume. Antigamente, ele mesmo tomaria o tempo para ir encontrar o sô Pernambuco e pegar a sua porção dos saborosos morangos. Mas, com a idade, as pernas cansadas, passou a depender da vinda amorosa do morango até o seu refúgio em Águas Claras.

Que delícia o morango carnudo e fresco! Lembrou da infância distante, quando não existiam morangos, mas a jabuticada negra e doce enchia as tardes de alegria e alvoroço, com a criançada da vila, no imenso pé de jabuticaba no quintal de casa. Que delícia a vida! Noventa e oito anos. Quantas vezes ele viu o sol se pôr? E em todas vezes este mesmo sentimento de mistério que lhe turva os olhos, marejados de ternura e alegria. Ainda hoje, o mesmo sentimento.

Aquele lindo pôr do sol o fez lembrar Antônio Fagundes como Deus, imaginado na genialidade de Cacá Diegues, num velho filme assistiu. A fala do personagem ainda ressoa em seus ouvidos. “Você nem imagina como foi o nascer do sol do primeiro dia no Paraíso. Quando vi aquela belezura, senti um orgulho danado de mim mesmo... Eu quis logo que alguém visse tudo aquilo. Eu estava tão sozinho. E aí... bem, aí eu fiz o homem e começaram os meus problemas.”

Sim, a vida, meu irmão, não é fácil. É o grande perigo!

Sua memória vagueia pelas lembranças. Quantos nascer de sóis, quantos pôr de sóis. Noventa e oito anos. Ultimamente, de vez enquando se pega pensando na morte, na grande despedida. Quantos amigos já se foram? Quantos ainda verei ir? E ele, estupefato. Mas como? Meu Deus, parece que foi ontem que tudo começou. Pega mais um morango. Que delícia é a vida. Nas lembranças, todos os amores, todas as paixões se misturam, como um mel que destila o seu doce prazer. Como pode ser isto, que o corpo se canse da vida, que os olhos se escureçam e os músculos se tornem frágeis, quando, por dentro, o mesmo prazer de criança, a mesma alegria e deslumbramento pela vida. O tempo deixa marcas no corpo, mas deixa intacta a alma. Por dentro, tudo igual. Os mesmos sonhos de menino, a mesma juventude, as mesmas paixões. Todas intensas, todas eternas. Os desejos, idênticos, exatamente iguais. Tudo igual na alegria, nos desejos, no sentimento de desafio da imensa utopia.

Nunca se adaptou à vida. Sempre inconformado com o mundo que recebeu. Inconformado está com o mundo que em breve deixará. Até neste ponto! Volta em círculos o pensamento. Que insanidade, que o corpo aprisiona e mata uma alma imortal? Que mistério, um corpo que fenece e, por dentro, uma alma que nunca envelhece. Que mistério é este, que a alma é eterna e corpo não. Ele pensa que foi disto que falaram todos os filósofos e místicos em todos os livros que leu. É que eles certamente também sentiram que a decrepitude do corpo, deixa intactos os sonhos da alma. Que delícia é a vida! Mas, como é breve. Como o último morango da cesta do Sô Pernambuco!

domingo, 8 de setembro de 2013

Poeminha da minha casa


Setembro de 2013

Novembro de 2011

Minha casa
tem quatro quartos e uma sala
espaço para abrigar
tudo que eu amo

Tem o quarto de estudos
para que sempre encontre espaços
para os sonhos de entender o mundo

Tem a sala e a lareira
espaço para acalentar
as amizades em tempos de frio
Tem dois quartos para as minhas filhas
lado a lado, compartilhados,
para que elas sempre refaçam os espaços
para encurtar as distâncias 
que a vida se encarrega de gerar

Tem um quarto de amores e descansos
para que eu possa repousar
das guerras que não procurei,
mas que invariavelmente
a vida me fez encontrar

Minha casa é tudo que tenho.

quarta-feira, 28 de agosto de 2013


Aula magna na sexta-feira da semana que vem marcará, de forma festiva, o início das atividades do Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física - Polo UFLA.

Marcos Assunção Pimenta, o palestrante, é professor da UFMG, coordenador do Instituto de Ciência e Tecnologia em Nanomateriais de Carbono - UFMG/INCT-CNPq. Fomos colegas na graduação e mestrado em Física na UFMG. Ele fez o doutorado na França nos anos oitenta. Nos anos noventa, quando éramos colegas no Departamento de Física da UFMG, ele realizou o seu pós-doutorado no MIT com a profa. Mildred Dresselhaus (Massachussets Institute of Technology, EUA). Desde então, em parcerias muito prolíferas, tem desenvolvido uma pesquisa de vanguarda na área de nanomariais de carbono. Ele e seu ex-aluno de doutorado, Prof. Ado Jório, receberam em 2009 o prêmio Somiya para Colaboração Internacional da União das Sociedades de Pesquisa de Materiais (IUMRS), por seu trabalho sobre materiais de carbono nanoestruturado. O trabalho do grupo ainda foi reconhecido internacionalmente em 2009, tendo o prof. Ado Jório recebido a premiação anual do International Centre for Theoretical Physics (ICTP), dado a jovens cientistas, com menos de 40 anos, em reconhececimento  contribuições marcantes e originais feitas na física e na matemática por jovens cientistas.

Marcos Pimenta se destaca ainda como excelente professor de Física, com um raciocínio conceitual e simples. Sua aula será, seguramente, um grande momento para comemorarmos o início do Mestrado em Ensino de Física na UFLA.

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Estudando eletrostática com... uma velha TV!

Preparando o material para o curso de mestrado em Ensino de Física,
me diverti refazendo antigas montagens de experimentos de Física, que são legais
para serem desenvolvidos em sala de aula.

Segue o exemplo de utilizar uma velha TV de tubo para gerar a eletricidade
estática que pode ser empregada em diversos experimentos. Espero que gostem!

video

PS.: Quem for realizar o experimento em casa, veja algumas orientações:
1) As taças de metal utilizadas no vídeo podem ser substituídas por qualquer
suporte metálico: panela de alumínio, candelabro de bronze, latinhas de refrigerante.
2) Uma taça (ou um dos suportes metálicos) é ligado ao papel alumínio colado ao tubo da TV. O outro deve ser ligado à terra. Pode ser um prego na parede. No exemplo, eu mesmo segurei a ponta do fio para fazer o papel do terra.
3) A bolinha de isopor deve ser envolta em papel alumínio para ser um objeto metálico leve. Pode ser substituído por aquelas chapinhas que você pode retirar das latinhas de refrigerante.
4) A caneta e a linha que suportam a bolinha devem ser isolantes. Portanto, de plástico. Não podem ser de metal.
5) Como o papel alumínio armazena a eletricidade estática, você pode sentir pequenos choques elétricos ao tocar as partes metálicas do experimento. Nenhum perigo!
6) Divirta-se e incentive a curiosidade de seus filhos, sobrinhos ou alunos!  
 
Linhas de Campo elétrico visualizadas com óleo de soja, fubá e fio conectado à folha de alumínio em frente à TV!

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Garças e marrecos selvagens

Lindo o Lago de Camargos no Sítio Águas Claras...

Enquanto a Cemig e o Operador Nacional do Sistema não secarem o lago pelo excesso de vazão! Creio que fundamental mesmo é a aprovação pelos municípios banhados pelo lago de uma quota mínima, que já está em discussão no Comitê da Bacia Hidrográfica, sem a qual estamos a mercê do uso indiscriminado dos recursos do município.

Quando o lago está cheio, a vida renasce em cada canto.

Marreco selvagem



Garça


Mais fotos:






terça-feira, 25 de junho de 2013

Médicos ou ativistas?



Uma forte gripe, seguida de infecção me levou ao Hospital esta semana. Fui atendido por um médico jovem, competente, em um ambiente de excelente infraestrutura. Após, a consulta, na saída, a semana de protestos de rua e a proposta da Dilma veio à tona no bate-papo final.

O que você acha das manifestações?

"Bom, estão exigindo melhores serviços públicos. Estou de acordo".- ele disse. "Mas veja a solução da Dilma sobre os médicos. Os recém-formados, como eu, não vão para cidades pequenas. Não há infraestrutura adequada para o trabalho. Os salários prometidos são altos, mas você só recebe no primeiro mês. No segundo atrasa, no terceiro você não recebe, no quarto já está sendo dispensado. Políticos muitas vezes utilizam do médico para sua estratégia de eleição."


O governo PT é extremamente prolífero em buscar soluções inverossímeis para os problemas que não conseguem administrar. Na questão da saúde agora propõe a "importação" de médicos estrangeiros. As entidades representativas dos médicos reagiram, inicialmente com argumentos corporativistas, mas rapidamente encontraram as verdadeiras razões que demonstram a fragilidade da proposta do governo.

1) A ausência de investimento em infraestrutura hospitalar. Médico com estetoscópio não vai resolver a carência da área de saúde nas regiões afastadas se não se construir e equipar adequadamente hospitais regionais.

2) A ausência de uma política de pessoal, com concursos e uma carreira que dê perspectiva ao médico

Mas o que me pergunto é se a proposta da Dilma está no bojo de uma grande recrutamento de ativistas sociais, dentro da atual política de perpetuação no poder que está em desenvolvimento pela banda podre do PT. Aquela que defende a PEC 33, para evitar a Marina; a PEC 37, para evitar o Gurgel e o Joaquim Barbosa/ aquela que envia espiões da ABIN para espionar o Eduardo Campos, que, da Secretaria da Presidência da República, contrata caminhões de pneus para serem incendiados e desencadear uma "manifestação popular".

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Catástrofe no ensino básico... na Alemanha!


Por que nossas crianças não aprendem mais a escrever corretamente?
A reportagem de capa e a entrevista interna do número 25/2013 da revista alemã Der Spiegel trazem uma discussão alarmante: a catástrofe ortográfica na educação básica...  na Alemanha!

Catástrofe na educação básica? Nenhuma novidade! Entretanto, duas são as razões que chamaram a minha atenção para a publicação. Primeiramente, a Alemanha é o motor econômico da Europa. Fiquei curioso por saber mais sobre como o País economicamente mais robusto da Europa está discutindo a questão da Educação Básica.

A segunda razão foi que, ao folhear a edição, encontrei uma entrevista relacionada ao tema. O pedagogo Günter Jansen, 73 anos, critica, de forma contundente, os métodos de ensino introduzidos na Alemanha nos últimos 25 anos. Comentando o método de ensino denominado "Ler pelo Escrever" - aprender a ler através da escrita, ele é categórico: "É uma imbecilidade completa".

"Escreva como você fala, o resto você aprende sozinho". "O aluno aprende mais quanto menos sua aprendizagem é dirigida". Esses são alguns princípios básicos que levaram o educador-pesquisador suíço, Jürgen Reichen (falecido em 2009), a propor o que ficou conhecido na Alemanha como método "Ler pelo Escrever". O método, amplamente utilizado no ensino básico na Alemanha, propõe, fundamentalmente, que o processo de aprendizagem da leitura deva ser realizado a partir do incentivo à escrita desde o início. Assim, a criança aprende, inicialmente, como a língua falada é transcrita para a língua escrita, de forma autônoma, com o uso apenas da Anlauttabelle - Planilha de sons, na qual se estabelece a conexão entre letras e sons ou fonemas, por meio de desenhos de animais e coisas do universo infantil. A partir da planilha, o aluno deve criar a sua escrita, dividindo a palavra falada numa "c-a-d-ei-a" de sons ou fonemas.

O método propõe a autonomia da aprendizagem desde o início, demarca a separação entre a letra e o som, e busca evitar a correção e a imposição de qualquer natureza: leitura de textos em voz alta ou ditado - nem pensar!


O professor entrevistado é um crítico ferrenho do método e suas palavras são (como em geral quase tudo na língua alemã) de uma clareza cristalina.

Perguntado sobre o que ele achava do Método, Jansen responde:

"Creio que o método não tem nenhum valor. As hipóteses fundamentais desse método estão erradas. O professor Reichen parte do pressuposto de que as crianças seriam capazes de recriar o processo de transcrição escrita da língua. Para isto devem inicialmente escrever da forma que se fala. Um absurdo! Erros ortográficos constantemente repetidos, que não são corrigidos pelos professores durante um até três anos seguidos, são internalizados. A criança é pré-programada para o erro. Então, a partir do segundo ou terceiro ano, ensinar a grafia correta das palavras, desconstruindo os erros sedimentados em um processo de aprendizagem caótica da escrita, é extremamente difícil. Um neurocientista sabe: desaprender rotinas estabelecidas é difícil ou quase impossível."

Sobre o uso da Anlauttabelle, Jansen é categórico: "Não há a menor possibilidade de dar certo". Ele argumenta que não há uma relação biunívoca entre sons e letras. Segundo o entrevistado, em alemão existem mais de 4000 sons que precisam ser transpostos para a linguagem escrita, o que é impossível de realizar-se com o número restrito de letras do alfabeto.

"A Anlauttabelle só serve para o aluno que já sabe escrever", afirma Jansen.
Jansen defende a necessidade de uma intervenção pedagógica mais dirigida, desde a escolha de letras e sons "mais estratégicos" para o processo de aprendizagem. Critica a visão do "Liberar a criatividade" sem a busca pelo padrão culto da língua. Em sua visão, este método tem causado maior prejuízo aos alunos de escolas de periferia, que vivem em um ambiente cultural de menor letramento, como nos bairros de imigrantes. 

O objetivo de ambos educadores é o mesmo: criar um ambiente de aprendizagem criativo e que o processo seja desafiador e alegre para a criança. Entretanto, traduzir esse objetivo em uma metodologia de trabalho didático continua sendo um grande e renovado desafio a todos os professores.

Aprender a ler é o grande desafio!

Referência: Der Spiegel - 25/2013

terça-feira, 18 de junho de 2013

Porque sou contra as manifestações

Manifestação em Viçosa, MG

Nestes últimos dias tenho visto pessoas do bem defendendo as manifestações de protesto difusas que estão em curso no País. Digo difusas, porque não vi uma pauta de reivindicações. Se fosse apenas os R$ 0,20, os manifestantes em São Paulo se dirigiriam ao Gabinete do Haddad e não ao Palácio dos Bandeirantes.

A incoerência e inconsistência do movimento é imensa!

Não adianta dizer que é uma minoria que está fazendo baderna: não vi nenhum manifestantes "pacífico" tentando impedir o ataque à ALERJ, a depredação do patrimônio público no Rio, os saques nas lojas e caixas eletrônicos ou a queima do Versailles do Fabrício Ferreira, o funcionário da Manchete que viu seu carro ser queimado.

Assim, gostaria de expressar o porque sou contra as manifestações.

1) Porque a reivindicação de Passe Livre é um absurdo jurídico e não é reivindicação de direito. Se o fosse, comida grátis e casa grátis também seriam.

Nem todas as coisas desejáveis são direitos. Direito é Educação e Saúde e, se a sociedade brasileira garantir isto aos seus filhos, eu estarei muito orgulhoso!

2) Porque a reivindicação de Passe Livre é um absurdo econômico. O que os manifestantes sugerem? Um aumento de impostos? O que viabilizaria o custeio? De onde sairia a verba? Note que mesmo "zerar" o lucro dos empresários (sic) não permite o Passe Livre. A conta não fecha.

3) Porque se este movimento fosse coerente, Fora Dilma, NÃO à PEC 37, Fora Dirceu e demais mensaleiros, Em defesa do Ministério Público, Em defeda do Supremo, etc, deveriam ser as palavras centrais de ordem. Nada mais urgente neste País do que eliminar a corrupção instaurada no Governo Federal e proteger as instituições de direito.

4) Porque o aumento da passagem de ônibus em São Paulo, eventual razão alegada para os protestos, foi definido pelo Fernando Haddad, filhote político de Lula, e os manifestantes evitam/mentem ao desviar o foco para a ação da polícia.

5) O que se viu ontem, na ALERJ e no Palácio Bandeirantes é algo que ameaça a democracia. E acho que os jovens, os bem intencionados que participam do movimento, não sabem o que é a perda das liberdades democráticas.


Tortura Nunca Mais!

sábado, 15 de junho de 2013

Conversando sobre Brasil e Alemanha




Certa vez, na Alemanha, tive um papo com o meu amigo Helmut Junge. Ele falou:

"Para que o Brasil precisa de aeroporto?!" 

Soltei a maior gargalhada e disse: "Você não tem ideia das dimensões do País!"   

Lembrei-me deste fato esta semana quando estava voltando em longa viagem de dezessete horas de Belém para Lavras.

Toda conversa tem seu contexto! Na verdade, o Helmut Junge falou esta frase em meio a uma de muitas conversas interessantes que tivemos sobre os problemas do Brasil naqueles idos 80. Helmut é um militante e dizia de como o Brasil precisava resolver a questão da miséria em meio a tanta riqueza. E ele estava certo. Só lembrei deste fato agora por causa do caos dos aeroportos no Brasil nesta véspera de Copa do Mundo.

Não acabamos com a miséria, mas ainda precisamos de muita infraestrutura!

Mas em seus comentários à minha provocação ele expressou algumas coisas que creio que seja de interesse de outras pessoas que gostariam de saber qual a visão se tem do Brasil lá fora.

Transcrevo suas palavras: 

"Weißt du, wir hier in Deutschland haben schon lange nicht mehr solch eine Weltsicht. Also, wir Deutschen sollten bescheidener sein.Von außen wirkt Deutschland reich, aber innen haben wir eine sehr ungleiche Verteilung des Reichtums. Es gibt hier sehr viele Leute, die arm sind. 50% der Bevölkerung hat 10% des Einkommens! Aber die oberen 10% haben fast 80% des Einkommens.Korruption haben wir auch sehr viel.Da werde ich später mal mehr drüber schreiben."


Traduzindo:
 "Sabia que nós aqui na Alemanha há muito não temos mais esta visão de mundo? Além disto, deveríamos ser mais humildes. De fora, tem-se a visão de uma Alemanha muito rica, mas internamente temos uma divisão de riquezas muito desigual. Existem aqui muitas pessoas que são pobres. 50% da população possui apenas 10% da renda! Mas os 10% da classe mais favorecida detêm quase 80% destas rendas.  Corrupção temos também e muita. Devo escrever mais sobre isto mais tarde."

Parece até o Brasil, né?!
Quem sabe, Brasil e Alemanha não tenham muito que aprender um com o outro.

terça-feira, 14 de maio de 2013

Mês de maio


Porque é mês de maio 
e o cheiro de broa de fubá no forno de minha casa
me lembra as tarde de domingo de minha infância
e povoa meu coração 
com o sorriso de minha mãe...


Porque é mês de maio 
e as tardes são azuis
e o amor aquece nossos corações 
nas manhãs frias!


Porque é mês de maio
e seguimos o caminho dos ventos
e dos desejos...

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Kairós

Ruínas de Moinhos de Vento em Koni, Ilha de Íthaca, Grécia. A foto, um presente de Christina Amaral

De repente
São só ruínas
Meus delírios
Minhas lutas
Meus dragões

De repente
São só moinhos
Minhas loucuras
Minhas feridas
Minhas vitórias

Chronos que passa
na Ilha de Íthaca
Não liberta Kairós
de sua prisão

De repente
São só ilusões
Meus sonhos
Minhas donzelas
Meus amores

De repente
o silêncio imenso

De repente
Uma semente cai na terra
Uma nova vida
Novos moinhos
Novos dragões
Novas donzelas a libertar

E Kairós eternamente adiado

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Íthaca, ilha dos sonhos




Tenho tanta saudade
de onde nunca estive
Tenho tanta saudade
de amores que não conheci



Yenho tanta saudade
de mares que nunca naveguei
Tenho saudades
de Íthaca, de mares, do sonho e do mito



Minha alma vagueia
Por mares que nunca acabam
Nunca encontra seu cais
Minha alma é uma pedra no porto
Um píer vazio



Créditos:
Fotos da minha amiga especial, Christina Amaral. Ilha grega de Íthaca, povoado de Kioni.



sexta-feira, 8 de março de 2013

Royalties pelas águas


Tragédia ambiental no Lago de Furnas

O Secretário de Desenvolvimento do Rio de Janeiro deu entrevista ao Jornal Nacional, neste 8 de março, ameaçando utilizar o Licenciamento Ambiental como arma para tentar reverter o desejo democrático da maioria do País, de que os royalties do petróleo sejam divididos por todo o País.

É fato de extrema gravidade que um político venha a público com tamanho cinismo. Quem acha que estou usando uma palavra forte, que procure assistir ao sorriso de escárnio de Bueno na gravação disponível na internet - AQUI.
 
"A imaginação é infinita, dá para fazer um monte de coisas, um monte de maldades", disse.

Minha posição sobre a questão dos Royalties do Petróleo é a seguinte: não é possível mais uma vez desperdiçarmos a oportunidade de financiar o crescimento igualitário do País. O imposto (royalties é uma eufemismo visando esconder a real natureza do dispositivo legal) só se justifica, na sociedade moderna, como forma de viabilizar políticas públicas que visem a proteção da sociedade.

No golpe que está sendo orquestrado pelo Espírito Santo e pelo Rio de Janeiro, querem utilizar estes impostos para aprofundar as diferenças regionais.

Estamos vivendo uma enorme crise energética. Ao contrário do que tem sido alardeado na imprensa e sustentado pelo governo Dilma, o ano de 2012 foi pródigo em chuvas. Os reservatórios estão vazios por que estamos ultrapassamos o ponto de equilíbrio: estamos gastando mais água para a produção de energia em nossas hidrelétricas do que o razoável. Não tivemos mais apagões este ano por causa do pibinho da Dilma: a indústria freou o seu consumo.

Minas vive uma tragédia ambiental em seus reservatórios. O nível da represa abaixa, floresce a vegetação rasteira. Quando as chuvas elevam o nível do reservatório, a vegetação apodrece e consome o oxigênio da água!


 A represa de Camargos está há seis meses com nível abaixo de 60% - aprox. 4 metros abaixo do nível. O gráfico acima mostra como a Cemig retirou o que pode de água da represa para mitigar o problema da baixa histórica do Lago de Furnas. A curva vermelha representa o fluxo de saída, o azul o fluxo de entrada no Lago. Para se ter uma ideia, por volta do dia 6 de fevereiro o fluxo de vazão da Represa foi de 30 bilhões de litros de água por dia! Se por seis dias toda a água que chegou na represa em final de janeiro e início de fevereiro tivesse sido retida, o lago estaria com capacidade máxima! 
 
A solução para todos estes problemas é evitar esta enorme oscilação de nível. Gastar apenas aquilo que se tem! E agora eu me pergunto:  onde estão os royalties das águas para proteger os direitos dos cidadãos brasileiros que moram às margens destes lagos? Qual é o valor dos "royalties" pagos aos municípios "produtores de água" para mitigar seus problemas ambientais? E quanto à desvalorização do patrimônio e investimentos de cidadãos pela imperícia da ANS em manter as represas cheias?

Não podemos ter mais impostos. Mas podemos redistribuir os royalties do petróleo para ter uma sociedade mais justa.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Stapelia


Floresceu a Stapelia!




Nome Científico: Stapelia hirsuta
Nome Popular: Flor-estrela, estapélia
Família: Asclepiadaceae
Origem: África do Sul
Propagação: Sementes, divisão da touceira e estaquia


segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Réquiem para um Gato Mourisco

Gato Mourisco
Ele pode chegar a 70 cm de comprimento, pode pesar até 9 Kg.
Lindo e raro, é o Gato Mourisco. Seu habitat são as áreas de várzeas perto de fontes de água corrente.

E foi assim que ele morreu: uma estrada havia que dividia a várzea em duas metades. Km 1 da rodovia Itutinga - Carrancas. Entre 8:30 e 9:00 da tranquila manhã de sábado, dia 2 de fevereiro. Deve ter sofrido uma pancada na cabeça, pois não havia nenhum sinal de laceração. Corpo e pele intactos, revelando a beleza imensa de um animal selvagem.

Quando o vi inerte sobre o asfalto, havia morrido há pouco tempo, pois não estava ali 30 minutos antes quando pessei pela estrada. Senti uma dor como se perdesse um amigo. Que pena, uma vida ceifada tão jovem...

A vida nas paragens da Serra de Carrancas ficou mais pobre. Perdeu um Puma yagouaroundi.

Apesar de toda a sua agilidade, a morte também o encontra


quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

What a wonderful world...


Velejando no Ventania em Guarapari

I see trees of green, red roses too
I see them bloom for me and you
And I think to myself, what a wonderful world
Flores do jardim que plantei
I see skies so blue and clouds of white
The bright blessed days, the dark sacred night
And I think to myself, what a wonderful world
Entardecer visto do grotão no Sítio Águas Claras

The colors of the rainbow, so pretty in the sky
Are also on the faces of people going by
I see friends shaking hands, saying, "how do you do?"
They're really saying, "I love you"
Nathália nas águas vermelhas da Lagoa de Caraís, Parque Paulo Vinhas-ES

I hear babies cry, I watch them grow
They'll learn much more, than I'll never know
And I think to myself, what a wonderful world

Obras de Aleijadinho em Congonhas

Calvagada na Fazenda Brejo Novo

Yes, I think to myself, what a wonderful world.

Férias/2013! Saudades...